Com a voz do coração dou as boas vindas e agradeço a visita, porque, a semente mais pura do pensamento, está no coração.





21/10/09

Imagem autor desconhecido


vou e regresso
na circunfluência divina do Universo
sem trazer nada de novo
neste meu amor cansado
de te ver beber em mim
calando a seca saudade
nas folhas da tua sede.

vou e regresso
da tua boca molhada
soltando línguas de orvalho
à raíz entrelaçada
à barragem construída
ao rio que me dá ao mar.

e nesta minha velha idade
no peso do tempo ido
no leito deste amor vida
existe um desentendimento
esculpido de silêncio
onde não há amor que resista
em nascentes poluídas.
por isso em qualquer momento
vou...vamos...vou...vamos...voooouuu...vaaaaaaaa

"in"Antologia Poética A.L.

12 comentários:

  1. É isso mesmo que acontece. Vou...vamos...beijos para ti.

    ResponderEliminar
  2. Gosto do teu poema,soltando línguas de orvalho.
    Muito bom...

    ResponderEliminar
  3. Da água e da sede...
    Um belo poema cheio de ritmo.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  4. Mas...

    ainda e sempre

    há sempre um deslumbramento!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Belo poema. Sugestiva imagem.Passei por este blog
    e gostei.Prometo voltar. Beijo.

    ResponderEliminar
  6. Gostei imenso do teu poema.
    Tem ritmo, melodia e belas imagens poéticas.
    Parabéns, querida amiga.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  7. Parabéns pelo belo poema!
    ...na circunfluência divina do Universo!!
    Mts Bjis

    ResponderEliminar
  8. vamos...que a dois é sempre melhor
    beijo amigo

    ResponderEliminar
  9. Tecas... estranho a tua ausência no blog.
    Muitos beijos amigos e anseio ler mais poesia tua.
    Beijo

    ResponderEliminar
  10. Amigos

    Grata pelos comentários. A minha ausência é motivada por uma grande avaria no meu computador.
    Aproveito para vos desejar um Feliz Natal, pois não prevejo até lá o receber.
    Bjinho amigo
    Tecas

    ResponderEliminar
  11. ventoooo.

    saudades tuas, amiga.

    grande abraço
    jorge

    ResponderEliminar
  12. Olá amiga Tecas, até quando me vais privar de ler a tua poesia?
    Saudades
    Beijos

    ResponderEliminar