Com a voz do coração dou as boas vindas e agradeço a visita, porque, a semente mais pura do pensamento, está no coração.





21/10/09

Imagem autor desconhecido


vou e regresso
na circunfluência divina do Universo
sem trazer nada de novo
neste meu amor cansado
de te ver beber em mim
calando a seca saudade
nas folhas da tua sede.

vou e regresso
da tua boca molhada
soltando línguas de orvalho
à raíz entrelaçada
à barragem construída
ao rio que me dá ao mar.

e nesta minha velha idade
no peso do tempo ido
no leito deste amor vida
existe um desentendimento
esculpido de silêncio
onde não há amor que resista
em nascentes poluídas.
por isso em qualquer momento
vou...vamos...vou...vamos...voooouuu...vaaaaaaaa

"in"Antologia Poética A.L.

25/09/09

Pintura AnaMuoz

vamos
ao abraço do sol
colher flores na primavera
que fresca melodia nos convida
nos jardins d'alegria florida

vamos
em silêncio descobrir o sabor da terra
numa doce melodia compassada
e saborear o olfacto do nascer da relva

vamos
acompanhados pelo tempo
à procura da fonte cristalina
beber a água gota a gota
e deixar que lentamente
nos caia pelas colinas do corpo

vamos
e se alguém nos perguntar
por onde deve começar
respondemos:
segue-nos.

"in" singelo canal

02/08/09

Pintura Sally Sose


não sei que diamante
te espalhou
e em que berço minha alma
se debruçou
se tu
delírio branco do pensamento
com asas livres sempre
em movimento
geras a primavera
e dás existência à utopia
aos jardins lúcidos ou de loucura
onde floresce a hera
de verdes braços estendidos
à luz do dia
como bocas à procura
de beijos permitidos
na ondulação do vento.

serás tu uma candeia acessa sempre a arder
a luz que docemente se levanta ao céu
para as estrelas desprender
e regressar no sol do alvorecer?

(in) antologia DEZSETE

23/07/09

" contra ponto"

Pintura Jean Mannheim

sou espiral do ponto de interrogação
um ente da exclamação de espanto
sem retirar uma vírgula ao que digo
no entanto
deixo reticências na afirmação

entre parêntis me revelo
pondo o ponto e vírgula de parte
que em aspas vivo no castelo
dos verdes no planeta Marte

e sendo mais coração do que razão
tenho a porta aberta a Morfeu deus irreal
que me põe nas asas fim de citação
e assim me eleva ao ponto final.

"in" entre dois nós"

20/07/09

CONVITE


Esta cara linda, Ana Eugénio( filha da poeta Conceição Paulino, TMara), no dia 25 de Julho, sábado, pelas 17,30 espera o apoio e presença de todos os poetas e não só, no lançamento do seu livro SAGRAÇÃO DO DIA, que terá lugar na Livraria Index.

< Deixar o sol brilhar na vida dos mais jovens, é saber... Amar>Tg

14/07/09

FONTE DOS ALHOS

imagem Annibale Carracci


dentro da inocência de criança crente
dizia-lhe num beijo: como tu és bela!
era a minha amiga e leal confidente
de todas a mais nobre, a mais singela.

contava-lhe os meus sonhos, os meus medos
daqueles pesadelos que me atormentavam
e sentia as verdes folhas serem dedos
que docemente me acariciavam;

sabia compreender como ninguém
a alma de uma criança assustada
e dizia-me, em seu silêncio, ser alguém
que precisava, como eu, de ser amada.

mas num dia triste e cinzento chegou
aquela máquina que da terra arrancou
a sua vida. raíz, tronco, braços, dedos.
nada ficou. somente os meus medos.

(in) painel multicor
IIvol.


02/07/09

CONVITE


"e a voz que me canta/acontece" ( Amita)
E assim acontece. Vai cantar no nascimento deste primeiro filho do espírito sensível da poetisa Fátima Fernades ( Amita),com o brilho único dos seus olhos(próprio dos seres lindos por dentro). Estão todos convidados para assistirem e o acarinharem.


28/06/09

O POETA

Imagem por Art's pequeninas" que gentilmente colocou no seu site "pequeninas poesias" este meu poema


o poeta
é um universo livre
um universo sem fronteiras
tem a liberdade do vento
na ascensão do pensamento.
o poeta
flutua sob o ar
circula o sistema solar
escala o céu
aspira a lua
lê as estrelas
acompanha o vento
aquece a neve
e dá melodia à chuva.
o poeta
vai onde o leva a sua inspiração
numa impetuosa corrente
para acariciar a terra
beijar vales e montes
e fazer despontar novos horizontes
com o calor do fogo de um vulcão.
o poeta
é a voz da natureza
quando sublima a sua beleza
na inocência duma criança
na ternura duma flor
no silêncio duma árvore
na nobreza duma ave.
o poeta
é a rosa-dos-ventos
o clarinete do alerta;
estigmatiza o opressor
acorda consciências
condensa sentimentos
fertiliza a felicidade e desenterra a dor.
o poeta
procura a síntese do sonho
transcende o real e o abstrato
hora a hora
ri, soluça, chora
e no papel sustem a sua haste.
o poeta
sonhador ou fingidor
chamem-lhe lá o que for
tem a essência criadora da liberdade.
grilhão algum pode prender as suas asas
porque o poeta, viaja sempre
nas asas do amor.


"In" I Antologia Junta de Ferguesia de Vermoim

21/06/09

18/06/09

LUA DO MAR

imagem google

o mar viu-nos assim.

beijavam-me os pés
os seus lábios de espuma
enquanto eu estremecia nos teus braços
e fiquei presa aos grãos dourados
na incerteza de te ver tal como és.

o mar viu-nos assim.

agora
do outro lado desse espelho
na certeza de te ver tal como és
vejo a linha do meu equador
na lua do mar
na brisa do infinito.

é esse o beijo que quero que bebas
é esse o aroma que quero que sintas
enquanto o príncipe das marés
me adormece docemente nos seus braços
por mais longe que eles vivam...

é esse o beijo que quero beber
é esse o aroma que quero sentir.

"In" Painel Multicor

09/06/09

Imagem Roberto Mendes


sou areia que o mar beija
e possui minha alma nua
em longos braços de espuma

mar.mar.mar
sou tua.

dou-me a ti p'ra renascer
a ti dou minha revolta
e só tu me irás reconhecer
nos olhos de uma gaivota
voando livremente sobre ti
bebendo o aroma
desse beijo em que morri

mar. mar. mar
sou tua.

nem o céu
nem as estrelas
nem a lua
prendem os olhos de uma gaivota
mas a gaivota dos teus olhos
um dia irá falar
deste amor sempre adiado.


in) Singelo Canal


26/05/09

DEPOIS...

imagem google

um dia
livre pela única verdade
voarei como as aves
ao encontro do anil do céu.
cortarei o espaço
e serei
uma minúscula partícula do átomo.
levarei o sonho do meu sonho
em minhas asas quebradas
como aquela ave
atingida pelo tiro certeiro
do caçador furtivo
que sangra a música da Natureza.
deixarei a precária luz da terra
esse frágil abraço do sol
insuficiente para derreter
gelo sobre gelo.
repartirei com elas
o primeiro sopro
do amanhecer no Infinito.
depois...
depois só as estrelas e o luar
falarão dentro do silêncio:
- que o mistério mora no sonho das aves

Tg "in" Olhar interior




17/05/09

NÃO FALES DE MIM

Imagem do Google


não fales de mim.
não fales se não falares com a dignidade
que merece todo o ser humano.
não apregoes o que fazes por mim
para mostrar bondade.
não exponhas as minhas fraquezas
fazendo leilão popular para evidenciar
a tua suposta superioridade.
não aproveites a humilhação da minha pobreza
para mostrar talento.
não menciones o meu nome
para teres sucesso.
não fales de mim. ainda não to disse?
digo-te agora.
não fales de mim.
não fales sem que percas primeiro 1 hora
do teu dia em frente ao espelho da consciência.
se perderes 1 hora do teu dia em frente a esse espelho
verás que te sobra pedantismo e não terás vontade
nem coragem para falares de mim.
ninguém tem o valor que pensa ter e sim o valor
que os outros dão.
olha para o teu próximo e tenta ver em seu peito o V
da vitória.
o V que pensas teres em ti mas que só tu o vês e mais ninguém.
não fales de mim. não fales.

Ísis( Tg)

07/05/09

QUEM PARTE E REPARTE....


imagem autor desconhecido

aproveitar a crise para ilibar a responsabilidade
de quem em parte é responsável por uma parte dela,
ao subtrair em grande escala a “massa” dos povos,
os quais, durante anos amassaram o pão nosso de cada dia,
privando-se de alguns prazeres que fazem parte da vida,
com o intuito de porem de parte uma pequena parte
e passarem a fazer parte dos accionistas de pé de meia,
julgando garantir uma velhice digna, é motivo para se
afirmar nesta parte do campeonato, o velho provérbio
popular: quem parte e reparte e não fica com a melhor parte, ou é burro ou não tem arte.
podemos confirmar:
há muita arte.!

ainda a procissão não tinha saído do adro e já era de prever a subida catastrófica da taxa do desemprego. Quem não a previu, decerto, pôs de parte o incorruptível esforço de averiguar, julgar e penalizar quem comeu a maior parte do bolo, dividido escandalosamente em partes desiguais, para passar a viver num mundo à parte, fazendo de conta ter cumprido a sua parte, o que leva a pensar pela nossa parte :
há muita arte.!

apesar de em algumas partes do globo, desenvolverem soluções para combater o flagelo, são soluções precárias perante a avalanche que cai sem dó nem piedade sobre os povos, enquanto estes, em desespero de causa procuram pela parte de fora o fundo da caixa de Pandora, receando que o fundo rebente com a pressão e morra dentro do desespero sem verem alguém a ser chamado à parte para esclarecer sem dar parte de fraco onde foi parar uma boa parte do bolo. Sem verem isso podem concluir com todo o direito, há parasitas eleitos e parasitas bastardos:
há muita arte.!

seguindo em frente vamos dar a qualquer parte, partindo do princípio que para tudo existem soluções. é o que dizem, não é o que se vê. pelo sim, pelo não, pelo que der ou vier, é necessário os povos pensarem que não se limitam a observar, têm a amarga oportunidade de a sentir por si e pelos outros globalmente e, com sabedoria, fazerem estacionar por toda a parte tanta arte. lembrarem-se que estão orgulhosamente e pauperismamente acompanhados, que sempre souberam repartir as migalhas em partes iguais.e, como povo que sou, reparto algumas sugestões viáveis ( modéstia à parte), que se não servirem para deitar abaixo a crise, pelo menos não a deixa prolongar, admitindo pela parte que me toca:
sou burra.!

sugestões:

1º : segure o seu posto de trabalho custe o que custar. se o tiver que segurar pelos chifres, faça-o.
2º: se é um desempregado de longa duração, exija no centro de emprego um formulário e preencha-o, informando quantos cursos de formação já fez, de que lhe serviram e quais as entidades patronais, findo os cursos, lhe deram emprego.
há muita arte.!
3º: se tem um curso superior, ao candidatar-se a qualquer emprego, não o mencione. não é seleccionado. tem estudos a mais.
4º: se tem mais de 50 anos, não se incomode nem se enerve. Tenha em atenção que é velho para lhe darem emprego e novo para ser reformado.
5ª: ( a mais importante para os governantes do globo) solução única e eficaz. anestesiar com anestesia geral com duração de pelo menos dois anos os povos vitimas do desemprego. anestesiado, não pensa em como vai sobreviver, honrar os seus compromissos e sustentar a família, não precisa de subsídios, não tem que se refugiar no álcool, nem na droga, nem entra em depressão, nem tenta o suicídio, não come, nem...ode. ( composição poética lírica de assunto elevado)


Ísis ( TG)

06/05/09

Imagem autor desconhecido




UMA CARICIA A FLORIR

Quem não quer sentir a chama,
Quem não precisa de carinho;
Da amizade e mão humana…
Na vida deste caminho!?

É assim que o Grupo Dramático e Musical Flor de Infesta, procura para as suas Tertúlias Poéticas, para os seus saraus de poesia, encontrar temas que motivem e sensibilizem, toda a família de poetas e escritores que mensalmente honram esta Colectividade Cultural quase centenária, com a sua presença, os seus inventos e criações de arte literária… e com a sua presença e representação em declamação da sua criação poética.

E mais uma vez, como sempre, desde há vários anos; a próxima sexta-feira dia 15 de Maio de 2009 pelas 21,30 horas, voltará sensível e culturalmente a projectar-se poeticamente “Uma carícia a florir ”, no Salão Polivalente do Flor de Infesta.

Porque “Infesta” e será sempre a Primavera, a carícia ou simples Flor!
Como habitualmente, este Sarau será animado com acompanhamento musical.
No final da projecção de arte e do saber criar e declamar poesia, o abraço aos amigos poetas aniversariantes que nasceram entre 18 de Abril e 15 de Maio.
Convívio mensal dos aniversariantes (18/04 a 15/05) dos poetas e amigos das Tertúlias Poéticas do Flor de Infesta.


É assim todas as terceiras sextas-feiras do mês no Flor, onde da flor, o fruto poético vai no vento da comunicação popular, da imprensa e nas ondas da Net.
(O poeta leva a mensagem a mundos que o mundo desconhece! José Faria)



27/04/09

imagem autor desconhecido




eis que me encontro aqui perante ti
numa prece de palavras escritas
tentando fazer florescer carícias
na hora de desnudar silêncios
ao pulsar das emoções.


cheiro o aroma macio do amanhecer das flores
e respiro a frescura do canto das águas
como o despertar de um sonho
em gestos livres de clara luz
sem invenções de batalhas de maldade


não calço sandálias de pescador
e o meu coração tem a fragilidade de um cravo
não beijo a mão imposta pelos credos
mas beijo as mãos abertas das crianças


ao mundo dou o meu sentir do mundo
e assim me encontro perante ti
nesta prece de palavras escritas.

Ísis ( TG)


18/04/09

VIGÍLIA

imagem - autor desconhecido






quando o labirinto da mente
fecha a lembrança

quando na sementeira da penúria
o sol assobia e bebes suor

quando a raiz é verde
e a espiga apodrece

quando o coração das flores
se agita na noite

quando a fadiga toca guitarra
com punhos de vento

quando Abril arrefece no relógio do tempo
marcando o silêncio

rompe no seio das promessas
as revoltas do passado
e em órbita
soa o canto da liberdade
no mar do povo
da minha pátria


"in"olhar interior

16/04/09



















sentada sobre os grãos dourados
liberto palavras.
liberto-as no poema FAROL de luz
para aquecer a noite
crivada de medos embrulhada em solidão
neste MAR IMENSO agitado em algas de indiferença.

ERODIDO oceano
espelhado nas vozes velozes e ondulantes
que levam à rota do DISTANCIAMENTO
quando entram carregadas de TEMPESTADE
pelas bocas entreabertas das falésias da vida.

liberto palavras.
liberto-as no poema
de um canto humilde dirigido ao CÉU
em tempo de busca do astro luz
numa FUSÃO de amor e paz
como uma haste erguida sem ser AMORTECIDA
nos passos do vento norte
nem no frio agreste dos cavalos da morte
onde se oculta o culto inculto das armas
que obriga a COMUNGAR
o castrante e AVASSALADOR veneno
das marés loucas do poder
que gasta e desgasta o AZUL celeste
numa nuvem sombria na proa do silêncio.



Ísis(TG)

15/04/09


Grupo Dramático e Musical Flor de Infesta
Rua Padre Costa, 118 - 4465-104 S. Mamede de Infesta

"O POETA É UM UNIVERSO LIVRE”

Convite



O Grupo Dramático e Musical Flor de Infesta tem o prazer de (o)a) convidar para a “Tertúlia Poética” a realizar na próxima sexta feira dia 17 de Abril de 2009 pelas 21,30 horas, cujo tema facultativo “São cravos, senhor, são cravos ”, decorre no Salão Polivalente desta Associação.



Este Sarau será animado com acompanhamento musical do cantor e compositor Carlos Andrade.

Convívio mensal dos aniversariantes (21/03 a 17/04) dos poetas e amigos das Tertúlias Poéticas do Flor de Infesta.

Como sempre, esperamos que nos honre com a sua presença

07/04/09


Miguel Angelo






abre a embalagem da tua matéria
e procura dentro dela
a tua essência.
se a encontrares
descobrirás
que a necessidade de afirmação social
é ridícula e temporal.

o valor do ser humano está dentro e não fora de si.




Ísis(TG)

06/04/09

VIVE O POETA















imagem Celito Medeiros


a cantar vive o poeta
letras de liberdade
numa imperiosa oferta
vibrante de ansiedade

letras de água salgada
letras de sol,luz e cor
letras de alvorada
letras de seiva e amor

a cantar vive o poeta
letras ao vento que passa
nas moitas de tojo e giesta
onde se esconde a desgraça

letras de mágoa, alegria
letras de estrelas, luar
letras da noite, do dia
letras do verbo amar

a cantar vive o poeta
letras ao Universo
tecendo letras de festa
nas finas tranças de um verso

letras de boa e má sorte
letras de sensações
letras de vida e morte
letras de quatro estações

a cantar vive o poeta
letras p'ra toda a gente
mendigo, rei ou profeta
canta o que vê e sente

e de asas suspensas no ar
colhe pérolas do Infinito
que faz sua alma flamejar
no divino processo de criar

a cantar vive o poeta
mendigo, rei ou profeta...!

*"in" entre dois nós

02/04/09

No dia 5 de Abril, pelas 15,30 no Mosteiro Santa Maria da Vitória ( Mosteiro da Batalha ), Apresentação do livro





Parabéns querida amiga Amita (Fátima Fernandes) e Paula Raposo.

30/03/09

Imagem autor desconhecido


faço parte do todo,
um todo em que todos fazem tudo
e não fazem nada
e quando a noite se aproximar da minha porta
(aquela noite em que a lua se desfaz)
não vou precisar de nenhum padre,
pastor, ou qualquer outro
suposto mensageiro do…
Criador.
os meus pecados,
receios e confusões
todos os dias entram
no percurso da confissão aberta.
encerro qualquer possibilidade
de ter um confessor
a prometer-me a salvação.
o tempo dilui o tempo
em que me inventei, no gosto
da oração, dos cânticos de exaltação,
da crença e da ingenuidade.
não quero parecer
louca só pelo facto de o ser,
nem quero morrer louca
só pelo facto de o não ser.
faz algum sentido
exercermos profissão religiosa,
só pelo facto de outros a exercerem!?
pois bem, cansei.
cansei de ouvir apregoar
tantos eus narcisistas, egocêntricos.
cansei de ver e ouvir
em nome de Deus: ama, odeia,
perdoa, ambiciona, mata.
cansei de um todo em que todos
fazem tudo e não fazem nada
excepto mentirem, fingirem
e orgasmo – girem em discursos televisivos
nos sessenta e não sei quantos canais e mais que tais.
pois bem, cansei.
quero ser eu a partir
na minha essência,
sem a absolvição do homem,
sem os comentários circunstanciais
(que pena, era tão boa pessoa).
boa???
de criança detesto esta palavra:
boa.
não quero ser boa.
sou muito mais feliz
se conseguir ser mais razoável.
humana e nua. não foi assim que nasci!?
nua. pois então
deixo cá o resto da bagagem!
Basta-me partir com a essência
a qual tentei não macular nem agredir
(sem certeza nenhuma de ter conseguido).

certeza tenho
de não precisar de nenhum padre,
pastor, ou qualquer outro
suposto mensageiro do senhor.
poupem-me a hipocrisias.


Ísis(Tg)













25/03/09

FOTOS DO LANÇAMENTO DO LIVRO VIDAS EM FRAGMENTOS

Deixo expresso, no meu blogue, os meus agradecimentos a todos, que no dia 21 de Março, pelas 21,30 estiveram presentes a assistir ao nascimento de mais um...

Depois de ter ficado presa no elevador quase meia hora...não podia ficar pior:)



FOTOS DO LANÇAMENTO DO LIVRO VIDAS EM FRAGMENTOS


E para quem...

FOTOS DO LANÇAMENTO DO LIVRO VIDAS EM FRAGMENTOS


Publico

16/03/09

12/03/09

11/03/09

Alfa Aberto






















Amor abastece alimenta
Bondade e bonança
Cultiva carinho e coragem
Define determinação e dignidade
Ensina e expressa
Fraternidade e floresce
Generosidade gerando
Humanidade história humana
Integrando igualdade e inconformidade
Jóia joio justiça
Kant _ Karl _ Kardec _ Kierkegaard
Legado literário lições e liberdade
Mental moral e mais ou menos à medida
Nasceu nova noção. nunca
Opinião ostensiva obedece
Pacifica na pluralidade
Qualquer querença é quebrada _ quando
Reforça renova e repõe
Sábias soluções
Tarefa temporal e terrena
Unificação urgente e única
Verdade na viagem vida
Watt whist
Xurdir xamate _ xeque…
Ys ys ys
Zangurrar zaragata zelotipia zurzir zero Zé zero.


Ísis(TG)

06/03/09





Noite de poesia em Vermoim



05/03/09



















sou o que sou e assim me deixem ser.
sou brisa
e descanso sobre a brisa que me acalma
sou fogo
que arde e ardentemente me queimo
sou chuva
e na minha chuva me afogo
sou neve
que cai leve vertical sobre mim mesma
sou tufão
que abraça todos os ventos e me destrói
sou vulcão
que em erupção solta lava de revolta
sou natureza---filha da Natureza
vibração---amor---revolta.
sou o que sou e assim me deixem ser.
rejeito ser molde inventado
de um projecto no tempo imaginado
rejeito ser relógio que se acerta
rebot de comando---barro moldado
ou pedra polida.
sou o que sou e assim me deixem ser
que este condensar de emoções
só o poema do Universo o sabe entender.

"in" antologia de poetas
de s. mamede infesta

03/03/09





















absolvição?
não.
condenem o poeta
condenem a palavra
sim.sim.
condenem o perigo da palavra
que nasce do pensamenro do poeta.
e em cada poeta
em cada pansamento
em cada palavra
existe o perigo de ramificação.


"in" singelo canal
















é nesse beijo
nesse ponto
onde o mar me afaga
e possui
que sou gaivota livre.

liberto a minha alma
vestida de penas
as minhas asas quebradas
o meu corpo nu
e encontro
o único ponto cardeal
em duas sílabas
é nesse beijo salgado
nesse ponto
que quero morrer
para renascer
em braços de espuma




"in" antologia amante das leituras

18/02/09





















se ouvisses quantas vezes eu rezei
pedindo a Deus para ouvir as minhas preces
ias saber quantas vezes eu te amei
sem que, meu amor, tu o soubesses

se soubesses quantas vezes eu sonhei
que todo o Universo era só nosso
ias saber, meu amor, como te amei
mas, amar-te mais eu já não posso

se me amasses quantas vezes eu te amei
antes de mim, antes de ti, antes das preces,
ias saber, meu amor, que regressei
mais vezes do que as vezes que mereces

no exílio silencio do meu verso
dou o teu nome letra a letra a uma flor
desfolhada nesta página em desamor
mas pedira Deus por ti, ainda eu peço.


" in" entre dois nós

14/02/09

Cala-te Vento






















não quero ouvir cantar o vento
nas horas em que o sol chora!
nem saber onde vive onde mora,
é um bem querer...num só lamento.

canta quando eu não quero,
para meu bem ou mal...isso que importa?
é chaga aberta na minha porta
por lá viver, um coração sincero.

mas disso o vento não quer saber
e dentro do meu peito há pétalas a arder
de flores carinhosas...outrora...
sou um jardim queimado... ou uma estrada
ou não chego sequer a não ser nada?

- cala-te vento. quero silêncio quando o sol chora.


"in" olhar interior
























na ternura concreta das manhãs

há néctar dos olhos

e lava de beijos

que dançam como mariposas

em meus dedos

entre o canto dos pássaros

e dunas de desejo

neste caderno ocupado

onde o tempo é começo

do tempo nunca acabado

pelo bosque dos regatos da palavra

por seres tu poesia

a princesa dos meus silêncios.


"in" singelo canal


Louvor à Natureza






onde um lado é verde azul
espuma pedra e sal

sobra nos lábios o poema
do canto das gaivotas

onde um lado é flauta de brisa
estende-se o hálito fresco

pelas artérias das planícies
e o perfume solar

deitado sobre todos os verbos
é transfusão de seiva

confluente divino a acariciar
o rasto da salvação

onde vibra em perfeição activa
hastes de aromas e sabores

os arranjos florais desenhados no horizonte
assumem o poder do pulmão

onde os olhos das aves viajam em asas de alegria
veste-se o céu para sorrirem rios

e favos de esperança cobrem a floresta
onde se descobrem mariposas a remover a vida

de joelhos liberto segredos confiados às estrelas
e reparto-me nos afluentes do amor

invoco cortejos de preces
e fico grávida de contemplação
no silêncio crepuscular

sobra nos lábios o poema
porque as palavras crescem
e são pequenas para te louvar



"in" antologia tertúlia em flor ( g.d.m.f.i.)

Protesto





se um dia a Deus eu for chamada
a prestar contas de tudo que aqui fiz
dir-lhe-ei: sou uma revoltada
por me dar uma vida que não quiz

por ver tanto vilão abençoado
e tanto canalha protegido
por ver tanto inocente mutilado
a silenciar na alma o seu gemido

e Ele, tão distanciado
cego, dorminhoco ou distraído
permite que a sua criação
semeie um inferno de dor
por ambição

que me julgue então como entender
como eu tantas vezes o julguei
ser justo, misericordioso e com poder
e descobrir, afinal que me enganei.




"in" painel multicor I volume