Com a voz do coração dou as boas vindas e agradeço a visita, porque, a semente mais pura do pensamento, está no coração.





31/01/14

TOCAM SINOS


Tocam sinos de saudade do tempo
em que o sorriso era uma flor nos lábios.
A intensidade do som fere,
o coração contrai-se, aperta,
quase rebenta como um balão de ar.
Talvez fosse melhor do que sentir
o corpo a encolher e a alma de dor a dilatar,
atingida por fragmentos de rocha quebrada.

Tocam sinos de saudade…
A solidão em escravos silêncios povoada,
É acompanhada pelo áspero odor de humidade
que corre pela casa.
A casa onde outrora habitou o sol da ternura,
hoje é noite a guardar insónias.

A flor murchou.
Tombou inerte no chão húmido e frio.

Tocam sinos de saudade…
Entoam impiedosos galgando a memória
a sondar o passado num domínio sufocante.
Uma frieza distante…


Uma sombra passa vestida de ausência,
talvez  a ver para crer como se pode viver a morrer.
Sinos tocam. Tocam sinos. Mudam de som. Tocam a rebate.
Em cada toque sugam o tutano de todas as sílabas das palavras.
Puro engano!
Nasci para ser feliz!

Teresa Gonçalves

8 comentários:

  1. *Tocam sinos de saudade…
    A solidão em escravos silêncios povoada,
    É acompanhada pelo áspero odor de humidade
    que corre pela casa.*
    Exprssão máxima da qualidade de vida.
    Beijo
    Catarina

    ResponderEliminar
  2. Lindo Tecas, adorei.

    bom fim de semana

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  3. Um soar de sinos embalando a nosltalgia de horas vazias.
    Mas eis que ao fazemos parte do realismo do quadro , uma força interrompe
    a música longínqua das badaladas e traz-nos a alegria de novo para a realidade de quem domina a arte poética, no imprevisível que existe sempre em cada um de nós.
    E eis que que o sol volta de novo!
    Maravilhoso, Tequinhas, como se espera de tudo o que nasce dessa inpiração .tão grande!
    Muitos beijinhos!

    ResponderEliminar
  4. A saudade, a nostalgia, a emoção. Tudo num belo poema de quem nasceu "para ser feliz".
    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. É preciso fazer repicar esses sons, e regar essa planta para que volte a florecer com a intensidade habitual. Só saindo da rotina se logram os fins.
    Bonito poema de saudade pelos tempos idos: mas belo.
    Um grande abraço, querida amiga

    ResponderEliminar
  6. Minha querida

    Um poema melancólico, mas de uma grande beleza. Tinha saudades de te ler.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  7. Lino e maravilhoso poema.
    Boa semana.
    Beijo.
    Nita

    ResponderEliminar
  8. Olá, Tekas!

    Mas que extraordinário poema! O som de bronze do passado teima em fazer-se ouvir, pesado, sofrido e dolente; mas temos de acreditar que o sofrimento valeu a pena, porque nos robustece... e as badaladas, então, ecoam como uma espécie de subtil chamamento, de um não sei que mágico feitiço.

    Beijinhos
    Manel

    ResponderEliminar