Com a voz do coração dou as boas vindas e agradeço a visita, porque, a semente mais pura do pensamento, está no coração.





19/05/18

SÍNTESE








 vamos falar de pedras paralelas aos rios
de ruas sem nome e portas sem números
de casas devastadas nas mãos do fogo
de vidas perdidas rasgando o fumo no amargo da noite
e de sons abertos no solo do abandono

vamos falar na cruz lancinante a suar no dorso da noite
de silêncios embutidos nas unhas dos gatos fugitivos
dos seus pelos eriçados pelos medos ancestrais

vamos falar de felinos à espreita no peito assassino
para abrir caminhos às sirenes que o vento desviou

vamos falar de portas fechadas condenadas ao espectro da palavra
JUSTIÇA na onda de odores mortais

vamos falar da seca e a seguir do frio
da dor de um planeta profundamente magoado
que assume o lugar de um parto gigantesco  de fora para dentro

já não me apetece falar. sinto o corpo gelado.
o Universo penetra-me. entra dentro de mim. Sinto o seu peso
o peso profundo da sua dor que me esmaga o cérebro e irrompe um queixume da minha alma.






Teresa Gonçalves,  Dezembro 2017


8 comentários:

  1. "dor de um planeta profundamente magoado". Tão belo e acutilante este seu poema, minha Amiga. Bem precisamos de reinventar este planeta.
    Tinha perdido o seu blog. (desapareceram-me todos e tenho vindo a recuperá-los) Ainda bem que veio e obrigada pelas palavras e pelo carinho.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Um planeta sofrido,magoado...
    Um dia tudo se transformará ...uma Luz vai brilhar...
    Creio. Não perco a esperança, quero muito manter a minha fé.

    Obrigado por sua visita ao meu Blog.
    Um abraço.Élys

    ResponderEliminar
  3. Boa semana, querida amiga e maravilhosa poetisa Graça Pires. Obrigada pelas suas palavras. Beijinhos poéticos.

    ResponderEliminar
  4. Obrigada, amigo poeta Élys pelo seu comentário em retribuição à minha visita. Tenho estado ausente do meu blog mas regresso..rs.
    Abraço poético.

    ResponderEliminar
  5. Olá Poeta. Neste belíssimo poema exteriorizas a alma da gente que sofre caladas palavras. Um bjinho grande

    ResponderEliminar
  6. Amigos leitores, boa tarde!

    Convidamos-vos a ler o capítulo 13 da nossa história escrita a várias "Janelas de Tempo"
    http://contospartilhados.blogspot.com/2018/10/janelas-de-tempo-capitulo-13.html

    Votos de excelente fim-de-semana
    Saudações literárias!

    ResponderEliminar