Com a voz do coração dou as boas vindas e agradeço a visita, porque, a semente mais pura do pensamento, está no coração.





14/07/09

FONTE DOS ALHOS

imagem Annibale Carracci


dentro da inocência de criança crente
dizia-lhe num beijo: como tu és bela!
era a minha amiga e leal confidente
de todas a mais nobre, a mais singela.

contava-lhe os meus sonhos, os meus medos
daqueles pesadelos que me atormentavam
e sentia as verdes folhas serem dedos
que docemente me acariciavam;

sabia compreender como ninguém
a alma de uma criança assustada
e dizia-me, em seu silêncio, ser alguém
que precisava, como eu, de ser amada.

mas num dia triste e cinzento chegou
aquela máquina que da terra arrancou
a sua vida. raíz, tronco, braços, dedos.
nada ficou. somente os meus medos.

(in) painel multicor
IIvol.


10 comentários:

  1. Creio ser a minha 1ª visita ao blog.

    Prometo voltar.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  2. Um poema triste e muito sentido. A perda de alguém que nos entende e nos ama deixa marcas profundas para o resto da vida. E ficam os medos.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Falar da dor com palavras belas e sentidas.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. ___________________________________________

    Um poema que levanta mais de uma interpretação...

    Belo na sua tristeza!


    Beijos de luz e o meu carinho...

    Zélia ( Mundo Azul)

    ___________________________________________

    ResponderEliminar
  5. Tecas...

    Um belo poema... triste, mas com uma expressão poética muito bem construida!...

    Um abraço!

    ResponderEliminar
  6. quando as árvores são extensões do nosso sentir...maravilhosas palavras as que nos ofereces.
    Aproveito ainda para te dar o parabéns pela excelente leitura de poemas na sessão de lançamento da Amita...a tua alma contagiou-nos
    beijo

    ResponderEliminar
  7. os medos...nasceram já com seu lugar dentro de nós? Belo poema, Tecas.

    Aqui, o mar carinho.
    El

    ResponderEliminar
  8. Quantas vezes é à Natureza que confiamos os nossos segredos, os desgostos, os medos... seja a uma fonte, a um riacho, a uma árvore... e neles obtemos o conforto tão necessitado.
    Um belíssimo poema com um final que, lamentavelmente, tantas vezes verificamos: o desamor à Natureza.
    Um bjinho e uma flor

    ResponderEliminar
  9. Estimada Poetisa Teresa, sua pessoa é duma distinção imensa,
    duma elegância que serve de exemplo ao mundo " feminino" .
    Eu fico agradecida com suas mensagens,e peço desculpas pela minha
    ausência,que se deve a chegada de minha netinha Isabella.
    Com admiração,
    Efigênia

    ResponderEliminar