Com a voz do coração dou as boas vindas e agradeço a visita, porque, a semente mais pura do pensamento, está no coração.





16/10/12

                                            
não quero ouvir cantar o vento
nas horas em que o sol chora
nem saber onde vive, onde mora,
é um bem querer...num só lamento.

canta quando eu não quero,
p’ra meu bem ou mal…isso que importa?
é chaga aberta batente na minha porta
por lá viver, um coração sincero.

mas disso o vento não quer saber
e dentro do meu peito há pétalas a arder
de flores carinhosas…outrora…

sou um jardim queimado… ou uma estrada
ou não chego sequer a não ser nada?
cala-te vento. quero silêncio quando o sol chora.



28 comentários:

  1. há momentos assim, que nem o sol nos aquece
    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. É preciso que o vento se cale, pois o Sol está chorando...
    Mas é preciso, também, que o vento se cale para que a esperança possa sorrir.
    Lindo o seu poema!
    Beijos.
    Élys.

    ResponderEliminar
  3. São de factos muitos os momentos que não queremos ouvir nada, mas o sol vai saber onde mora esse coração sincero.
    fica bem princesa

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  4. Um soneto lindoo, minha querida amiga Tecas!
    Toda a sua sensibilidade poética, toda a sua beleza de alma onde vento e sol e jardim se envergonham de contracenar consigo!
    Uma estrada iluminada na escuridão destas noites de outono.
    Belíssimo Tequinhas
    Terno abraço

    ResponderEliminar
  5. Momentos de inquietudes...

    Beijo carinhoso.

    ResponderEliminar
  6. E quero a flor que o poema me deve,
    e a voz silente da madrugada :)

    Mil beijos para ti, amiga
    Jorge

    ResponderEliminar
  7. Talvez triste mas lindo, beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  8. Há dias em que choramos em nós...Há risos e gritos de alegria que tornam o dia ainda mais frio em nós...
    Belo poema...
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  9. há dias assim
    hoje especialmente
    mas o sol vai voltara a brilhar
    um belo soneto que aqui compartilhas
    obrigada
    beijo

    ResponderEliminar
  10. Admiravel, admirada


    Afável e Harmonioso, o seu poema.Adoro, sonetos.principalmente esses meios camonianos, que faz a narrativa e no primeiro terceto, enfia um contraponto, do tipo assim ............................. Mas,.
    Abraços, abrasileirados

    ResponderEliminar
  11. Lindo ,apesar de versos tristes.Inspiração bela! beijos,sempre bom te ler!chica

    ResponderEliminar
  12. Venho te convidar para apoiar juntamente comigo o OUTUBRO ROSA,incentivando as pessoas conhecidas a fazer o exame de mama, prevenindo do câncer que é responsável por 52.680 novos casos no Brasil neste ano!Quero que você esteja junto comigo nesta luta,apoiando esta causa. Vamos a cada dia plantar esta ideia na cabeça das pessoas...EU, do blog FOLHAS DE OUTONO,agradeço todo o apoio E comentário deixado lá em prol da minha nova postagem.Peço que ao passar leve uma mensagem de positividade.

    ResponderEliminar
  13. Amiga, desejo-te melhoras a tua saúde e que tudo te corra sempre bem Sei o quanto gosta do meu espaço e eu também do teu. Deixo-te um imenso abraço e meu carinho. Deleito-me diante deste teu belo poema.

    ResponderEliminar
  14. Desgarros que deixa o vento
    das palavras moribundas, sem som,
    dum tempo ido, passado em vão.
    Daquilo só queda um lamento!...

    Um abraço bem forte, querida amiga, amiga poema

    ResponderEliminar
  15. Minha querida

    Há dias que estamos assim...sem nós...sem sol...sem nada, estamos apenas esperando que o nevoeiro se dissipe.
    Sempre lindo ler-te...a inspiração fez morada aqui.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  16. No silêncio aprendemos muitas coisa da vida, não é?

    Saudações poéticas!

    ResponderEliminar
  17. Olá Teca,


    Depois de um tempinho ausente aqui estou pra matar a saudades...
    Maravilhoso poema, por vezes o silêncio fala muito com a gente...

    Deixo um grande abraço, com desejo de uma ótima semana!
    Beijos!

    ResponderEliminar
  18. Olá boa noite, bom final de domingo, venho agradecer sua visita e carinho, fazer amigos é o meu lema,e ja considero-a como tal, seus poemas são belissimos parabéns.
    sou um jardim queimado… ou uma estrada
    ou não chego sequer a não ser nada?
    cala-te vento. quero silêncio quando o sol chora.
    muito lindo esse trecho, bjs no coração.
    Vanderlei

    ResponderEliminar
  19. Continuas a escrever lindas poesias... parabéns pelo trabalho!

    ResponderEliminar
  20. Olá, boa noite.
    Obrigada pela visita.Gostei de retribuir e descobrir uma poetisa de "mão cheia".Li vários poema ,mas o último soneto está com uma inspiração "florbeliana". Parabéns! Um abraço.
    M. Emília

    ResponderEliminar
  21. E o vento sempre trás alguma tempestade... nada que na manhã seguinte não se dissipa e o sol brilhe novamente.
    Abraços Tecas , um prazer ler poemas de uma poetisa tão linda!
    desejo uma semana feliz

    ResponderEliminar
  22. Como eu te compreendo

    mas não cales o vento

    ResponderEliminar
  23. Olá minha querida amiga virtual e agora do coração meu. Após as férias estou voltando devagar as ondas... como vistes já estou balançando os coqueirais da Ilha abrindo o salão de festas 2012, e gostaria te vê participando das brincadeiras (ou algumas delas). Só espero que se restabeleças logo para que possamos fazer uma grande folia. Quanto ao álbum de férias breve arrumo ele, só resta receber da Libânia o texto que ela leu na abertura do nosso encontro, ela ficou de mandar para meu email e até agora nada :(. Um enorme beijo minha querida, luz e paz.

    PS: eis o link do salão de festa para não dares muitas voltas :)
    http://natal-da-ilha-da-lindalva.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  24. Tecas, minha querida...
    E o vento há de nunca calar!
    Fez você poetar tão lindo...
    Um beijo terno, minha querida,
    e muito obrigada pela sua presença
    e seu calor na Maraláxia.
    Com carinho
    da
    Fátima

    ResponderEliminar
  25. "Eu sou o vento,
    que murmura ao teu ouvindo
    palavras de amor e alento
    para o teu coração em lamento"
    Para você querida amiga, em resposta ao teu lindíssimo Soneto.
    Um beijo carinhoso,
    Socorro

    ResponderEliminar
  26. Como eu gosto do que escreves! beijinhos grandes

    ResponderEliminar