Com a voz do coração dou as boas vindas e agradeço a visita, porque, a semente mais pura do pensamento, está no coração.





23/10/12

sinto saudade, mãe, daquela menina.
daquela menina, mãe,
que falava com os animais, as árvores e as flores.
daquela menina sentada no peitoril da janela à noite
a falar com as estrelas e a lua
sinto saudade, mãe,
daquela menina que ao amanhecer fugia
para o baldio e ali abria as mãos ao céu a falar com Deus
como se o mundo se reduzisse àquele lugar
e a distância entre a terra e o céu
fosse somente a luz da inocência.
sentada no chão da terra, suspendia a respiração
para escutar os sons da Natureza
que eram para si a resposta de Deus.
depois dançava e ria, corria para casa com fulgor no rosto
carregada de energia.
sinto saudade, mãe,
daquela menina a chorar com medo de adormecer
temia os sonhos voltarem acontecer
com imagens de arrepiar.
sinto saudade, mãe,
daquela menina rebelde e doce
ajoelhada a teus pés pedindo perdão
sentindo-se culpada de ter nascido
quando te via irritada e preocupada
pelas dificuldades que a vida te impôs.
sinto saudade, mãe, daquela menina.
lembras-te dela, mãe?
ela não morreu.
sofre em silêncio por ter perdido a inocência
no coração da mulher que sou eu.

"in" livro Pleno Verbo


18 comentários:

  1. Linda poesia e saudades!!! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  2. Existe tristeza nestas tuas palavras, causada pela saudade guardada em teu coração! A saudade faz sofrer. devemos valorizar o passado, mas também tentar aliviar o que nos feriu, não conseguimos esquecer as pessoas que amamos.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  3. Que beleza!!!Amor, saudade no silêncio....
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  4. não podemos perder essa inocência de criança é ela que nos cultiva os sonhos e faz caminhar
    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Todos vamos perdendo a inocência...
    Magnífico poema, gostei muito.
    Tecas, tem um bom resto de semana.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  6. Quanta ternura!
    Sempre que o leio sinto regressar aquela infância por terras de pedras Rubras.Beleza neste dizer, tão teu.
    Abraços de vida

    ResponderEliminar
  7. Simplesmente, linda esta poesia.
    Beijos,
    Élys.

    ResponderEliminar
  8. Um dos teus melhores, minha amiga!

    Muitos e muitos beijos!!
    Jorge

    ResponderEliminar
  9. A ternura e o enlevo que atravessa os sentimentos de um ser inocente e incapaz, o apoio que se sente num colo que nos aqueça a alma, a inocência que nos faz pensar que nunca estaremos sós...hoje, tropeçamos com a vida agreste que nos rouba a criança que sempre somos. Uma poesia comovente, tocante, fantástica.
    Parabéns minha querida Tecas.

    ..................
    E a vida é toda ela feita de escolhas, de opções.
    E vem isto a propósito da oferta do Premio Dardos que tiveram a gentileza de me oferecer e que queria partilhar também consigo, minha querida e cujo selo está no meu blog.Gostaria que ele fosse um símbolo da admiração enorme que tenho por si: a beleza da poesia de uma inspiração fenomenal e a mensagem que sempre transmite através dela .Pode trazê-lo ou não fica ao seu critério!
    Um enorme e terno abraço querida Tecas

    ResponderEliminar
  10. memórias que ficam e nos trazem saudade.

    um beijo

    ResponderEliminar
  11. Minha querida

    Quem não sente saudades da menina que fomos, quando todo o mundo era nosso e a esperança e o amor era a nossa casa.
    Sempre muito belo ler os teus sentimentos que são os de tantas de nós, as saudades da menina que fomos.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  12. Nosso ladinho criança e feliz...
    Onde foi que nos perdemos na caminhada?
    "Onde você ainda se reconhece
    Na foto passada ou no espelho de agora?
    Hoje é do jeito que achou que seria?..."

    Como sempre, encanto-me com seu blog. Sempre lindas palavras.
    Abraços,
    Johanna.

    ResponderEliminar
  13. "Sabes, mãe..."
    E assim começa um monólogo de tantas perguntas interiores que nos enrugam o pensamento entorpecendo ideias, antes confusas mas agora mais percetíveis.
    ...mas fica aquela saudade tão longínqua dos nossos laços de seda tantas vezes transformados em laços estopa áspera, rude! E fica também a amargura da nossa criança interior sem respostas às inquietações dos porquês de tanta injustiça e incompreensão.
    Só uma alma de luz tem a capacidade de, hoje, fazer as perguntas como se voltasse a ser menina!
    Tão lindo!
    Grande e terno abraço querida amiga Tecas.

    ResponderEliminar
  14. Reli encantado o teu maravilhoso poema.
    Tecas, querida amiga, tem uma boa semana.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  15. Sempre há tempo de resgatarmos a criança do nosso interior, enquanto um sopro de vida existir. Olá minha amiga segunda começa a primeira brincadeira do Boas festas, mas muitas outras teremos, espero por ti. Beijos doces na alma.

    ResponderEliminar
  16. Hola Tecas, tu blog ya está puesto. Si quieres verlo es el número 138. Está en la página 2. Gracias.
    Un Saludo.

    ResponderEliminar