Com a voz do coração dou as boas vindas e agradeço a visita, porque, a semente mais pura do pensamento, está no coração.





03/11/10

Foto do Autor José Santos - Olhares
abri.
abri restos de alguns sonhos de infância na minha memória.
poucos. oh sim! poucos que teimam em flutuar
sem frio agreste ou ventos incertos
nos olhos do coração.
brancos. leves. leves. leves.
iguais a flocos de neve
caídos do espaço celeste
para os colhermos nas mãos.
porque os sonhos das crianças são sempre
brancos.leves.leves.leves
prolongados de ilusões.
depois...não se despedem
e ficam tão ausentes nas colinas do silêncio
que a neve quando cai
leve. branca imaculada
sobre um mar de inquietações
é para se ajoelhar aos pés de crianças maltratadas.
cai a neve...branca...leve...leve...leve
como os sonhos das crianças.

" In" Antologia Amante das Leituras

16 comentários:

  1. Os sonhos de infância nunca os perdemos... são leves...leves...
    Um belo poema de ternura.
    Parabéns querida, gostei muito.
    Beijos
    Catarina

    ResponderEliminar
  2. ...cai a neve...branca...leve...leve...leve...,
    a neve é branca, nem de todos as crianças, terão sonhos leves, infelizmente.
    Lindo poema a lembrar o Natal.
    Muito bom!
    Beijos
    Helena P.

    ResponderEliminar
  3. Tecas,

    Lindoooo o teu poema!!!

    Um beijo
    AL

    ResponderEliminar
  4. Olá Tecas, aqui vim ter ao teu blogue pela primeira vez através do Mundo Azul da amiga Zélia, fiquei admirada quando reparei que também és da Maia, e eu aínda não tinha encontrado o teu blogue.
    Pelo vi gostei e cá estarei mais vezes a visitar!
    Parabéns.

    O poema é lindo, as crianças são os homens e mulheres do amanhã, são-lhes permitidos os sonhos brancos e leves, pois na essência, são crianças e na beleza da inocência, os sonhos traduzem a sua infinita bondade.

    Tem um bom e feliz fim de semana.
    Bj

    Sãozita

    ResponderEliminar
  5. Tecas, as crianças são poesia! Bonito poema, tão leve como os seus sonhos, sem esqueceres as crianças a quem tiraram os sonhos.
    Beijo
    C.A.

    ResponderEliminar
  6. Os sonhos de infância perduram no tempo. Excelente poema.

    Beijinhos e boa semana

    ResponderEliminar
  7. Olá Tecas, os sonhos não se despedem, permanecem na criança que deixamos viver em nós. Lindo poema.
    Beijos
    Jorge Santos

    ResponderEliminar
  8. e eu despeço-me
    abraço-te
    leve leve leve

    como os sonhos das neves
    levemente sorrindo.

    um grande abraço
    jorge

    ResponderEliminar
  9. "que a neve quando cai
    leve. branca imaculada
    sobre um mar de inquietações
    é para se ajoelhar aos pés de crianças maltratadas."
    Magnífico, querida amiga. O teu poema é excelente.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  10. Um poema leve

    como os sonhos das crianças.

    Mas elegante como são os adultos

    que prezam os sonhos de criança.

    Um forte abraço.


    * Quanto à pergunta que faz,
    depois lhe direi.

    ResponderEliminar
  11. Os sonhos das crianças: leves como se fossem neve, como se fossem pétalas, como se fossem anjos...
    Muito belo.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  12. Terno, belo, magnífico poema. Leve...leve...leve...como a neve, receba um beijo
    do amigo,
    José Pedro

    ResponderEliminar
  13. se estou certa, este poema é de uma antologia em que também participei :) espero estar consigo em breve, querida tecas. as saudades são muitas! um grande beijinho*

    ResponderEliminar
  14. olá tecas, só agora vi os comentários no meu blog que desde já agradeço muito! o seu está muito bonito! vou ser seguidora! obrigada por guardar o meu poema e muitos beijinhos!

    ResponderEliminar
  15. OLá, amigo!

    Vim espreitar as novidades...

    Bom fim de semana.

    Forte abraço.

    ResponderEliminar
  16. Belo poema Tecas; cheio de significados.
    Beijo
    Maria Mamede

    ResponderEliminar