Com a voz do coração dou as boas vindas e agradeço a visita, porque, a semente mais pura do pensamento, está no coração.





28/12/10

Imagem da Net

nas pétalas do tempo
sobressai rubra a cor da guerra e da violência
num espelho extenuado de actos repetidos

nas pétalas do tempo
caem folhas de silêncio frio em valas comuns

nas pétalas do tempo
pérolas salgadas transbordam mares

nas pétalas do tempo
voa a pomba da paz de asas cansadas
sem poder pousar

nas pétalas do tempo
rodopia a espécie humana
no circulo da vida em exigências sobrepostas

nas pétalas do tempo
inventou-se o amor,a esperança, a alegria,
o ódio, a ambição, a arrogância, a desconfiança,
a angústia, a fome e o desespero

nas pétalas do tempo
o esquecimento não tem história
nas páginas da história para bem da humanidade

nas páginas do tempo
vestem-se peles diferentes mas a essência é a mesma.
continua...retrocede...retrocede...e continua interminavelmente...

"in" ENTRE DOIS NÓS



A TODOS OS AMIGOS E SEGUIDORES OS MEUS VOTOS DE FELIZ ANO NOVO 2011

14/12/10

NATAL DO GRANDE IRMÃO

Pintura Federico_Barocci

Jesus, estás a ver?

É Natal e a humanidade comemora o Teu aniversário! Quer dizer,festejam-no aqueles que supostamente acreditam que Tu és o Salvador. Fazes dois mil anos ou serão dois mil e um? Também em tantos anos, é mais um ou menos um! Estás a ver?
É assim! Caíram dois mil calendários, bem pesados, na consciência do homem desde o Teu nascimento. O mundo mudou. Vou-te dizer…aparentemente evoluiu…Estás a ver, Meu? Seguem-se as regras da evolução e o homem festeja o Teu aniversário com ostentação, em prejuízo de seguir os teus exemplos no coração. Mas é bonito, ver-te com Zés e Marias na televisão, nas montras, nas ruas e na Internet! Estás a ver? Vou-te dizer! Com a evolução, ficaste mais sofisticado e até aquele livro onde estão guardados os Dez Mandamentos e o Novo Testamento ( a riqueza sagrada), à força do homem tantas vezes o ler e reler já não é o que era. Cada um lhe dá a interpretação que lhe convém e as parábolas passaram a ser letras ou tretas que se apregoam e bem. Estás a ver? Vou-te dizer! Há dois mil anos a ler e a reler, e ainda não saíram da teoria. Passar à prática requer muito o espírito de renúncia e boa vontade. Se o homem em dois mil anos não saiu da teoria, quantos milénios vão ser necessários para pôr em prática os Teus exemplos? Vou-te dizer!...que cena! Até acabam por gastar as letras e as páginas ficarem em branco. Há aqui muito fogo de artifício! E a prová-lo, é o facto de alguns povos o utilizarem a torto e a direito. Estouram foguetes, daqueles que quando rebentam, matam e mutilam centenas e milhares de inocentes. Estás a ver? O espaço fica todo iluminado e a Terra tinge-se de vermelho e negro. Vou-te dizer…que cena, Meu!
É assim.
O Natal é das crianças, e Herodes tem consciência disso e oferece-lhes, envoltos em asas de tempestade de fogo e granizo provocada por ele, “ brinquedos super modernos e inofensivos”, tão inofensivos, que as crianças quando os recebem não brincam mais.
Estás a ver? Vou-te dizer! Tu disseste: -« Deixem vir a Mim as criancinhas». Esta parábola é a única posta em prática nos cursos intensivos de matadores profissionais ao longo dos séculos. Estás a ver?...
Depois, Jesus, há gostos para tudo. Existem milhões de seres humanos a festejar o Natal de todos os dias, com greves de fome, sem abrigo e ao relento, só por "pura extravagância”… que cena! Sabes, nunca consegui compreender estes excessos e muito menos os compreendo quando vejo tanta riqueza acumulada em instituições religiosas que manipulam o Teu Nome. Vou-te dizer, Meu! Foste e És, Amor, Humildade, Fraternidade e Igualdade, mas o homem tem conceitos diferentes do significado destas palavras. Toda essa riqueza distribuída e acabava a miséria de muitos povos! Vou-te dizer, Meu! Deves conhecer aquele provérbio popular o qual passo a citar:« olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço».
O homem deve-o ter inventado para não ser questionado nestas e noutras questões. Estás a ver? Vou-te dizer: Há coisas que eu não entendo, mas também não devem ser para eu entender.
O mundo mudou muito, Meu! É assim, alteraram-se leis, caíram impérios, reinados, republicas e governos e neste último século, começaram a nascer imperadores, isto é como quem diz, imperadores do pó branco. O homem é predador e explorador por natureza e como nos dias de hoje é mais difícil explorar ouro, diamantes, estanho e o petróleo entrou em pé de guerra , ele virou-se para o pó. Não, Meu, não é o pó que se põe no cuzinho do menino! É outro que, segundo dizem, é muito semelhante, isto claro, só na cor. O homem prontificou-se de imediato a construir impérios de destruição por ambição. Vou-te dizer! Primeiro, começou por fazer rebuçados que não são da tosse, mas que tiram a “tosse”, e, depois com eles, criou uma vacina contra a humanidade. Estás a ver? Que cena! Vivemos neste presépio desfeito e não passamos de insignificantes figurantes nesta novela real a assistir a estas monstruosidades. Tudo isto porque aqui é mais difícil fazer contas de dividir do que de multiplicar. Melhor dizendo, o homem sabe dividir: divide o outro homem pela sua raça, classe social, religiosa, politica, desportiva e por inúmeras razões das quais não têm razão de ser. É assim! A isto chama-se o mundo do Grande Irmão.
Estás a ver, Jesus?...hã?…hã?...Adormeceste? Hã, não!...que alívio. Estavas só a passar pelas brasas! Ora, não És alentejano! Vou-te dizer! Por favor, não Adormeças nesta altura do campeonato. Poder-te-ia contar muito mais, mas fico por aqui para não estragar o dia do Teu aniversário.

Bem, meu Jesus, como é Natal, quero desejar-te muitos anos de vida no coração do homem a quem chamas-te irmão e peço-te: Volta cá o mais rápido possível, mas por favor, não Te dês a conhecer. É que neste Teu reino, existem muitos homens candidatos a reis. Estás a ver, Jesus…a cena que iria ser? Pois é! Como me sentiria feliz se Te pudesse dizer:
-Perdoa-me Jesus, eu menti. Tudo o que aqui escrevi é imaginação.

"in" painel multicor-volume I
A TODOS OS AMIGOS E INIMIGOS ( SE OS TIVER), OS MEUS SINCEROS VOTOS DE FELIZ NATAL, REPLETO DE AMOR E SAÚDE.

03/12/10

Imagem da Net

entrego
o pensamento ao sonho
do primeiro poema o verbo
no êxtase de partir
sem ramo
sem remo
sem rima
sem rumo
num voo único
e deixar
sobre a solidão pesada do deserto
a certeza
de existir na noite
a consonância inversa
do verbo

livre levitar
por outras margens
descobrir o caminho
de outras paragens
conhecer a luz
da outra passagem
sem medir o silêncio nem a distância
sem a música dos medos
nem a composição sombria das armas

multiplicar a sensação
na substância simples
do amor em linha recta
nas asas do sonho
do primeiro poema:
verbo amar.

"in"Singelo Canal