Com a voz do coração dou as boas vindas e agradeço a visita, porque, a semente mais pura do pensamento, está no coração.





29/08/11

Imagem da Net

no grito silencioso da pedra
escuto o grito da Natureza.

numa linguagem de silêncio
converso com ela
sobre as pedrinhas
que apanhava
na rua da minha infância.
elas não cresceram
nem adormeceram
dentro do meu sapatinho
de criança.

agora na sua face gretada
ponho as minhas mãos de amor
com as pedrinhas
da rua da minha infância
porque…
quem vê, lê ou sente a sua desdita
se no cantar perigoso
dos nossos passos
lhe pisamos a intimidade
sufocando-lhe o grito?

“in” Singelo Canal

52 comentários:

  1. Sentir da Natureza em ti, Tecas.
    "...ponho as minhas mão de amor..." Muito belo.
    Beijos, amiga!
    Catarina

    ResponderEliminar
  2. Já ninguém olha, na formatação dos dias, para aquilo que nos rodeia. Só o poeta persiste.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  3. me encantó!!!!gracias por tu visita,saludos desde Uruguay.

    ResponderEliminar
  4. Mas não estão esquecidas se te lembras delas, as ouves e escreves as histórias....
    Lindo....Adorei...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  5. "numa linguagem de silêncio
    converso com ela"

    O quanto pude reflectir, não apenas com estas palavras, mas com todos os versos escritos, e o quanto gostei de os ler!

    Abraços!

    ResponderEliminar
  6. Buen poema, pero el traductor me hace renegar, así que sigo pensando en aprender portugués. Sus letras me lo piden

    http://enfugayremolino.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  7. Tecas
    Belissimo querida por e simplesmente.
    beijinho

    ResponderEliminar
  8. Tecas, minha querida poetisa amiga...seus versos ficaram lindos e recheados de algo que somente os poetas o sabem !!!
    Beijos...com carinho...e uma rosa branca para ti!
    Mila.

    ResponderEliminar
  9. Tecas, maravilhoso poema. A criança em ti a recordar...e amar. Só os poetas sentem dessa maneira.
    Beijo meu.
    C.A.

    ResponderEliminar
  10. Perfeito, nada mais tenho a dizer.
    Aliás Tecas tudoo que escreve é perfeito, não?
    Eu gosto e muito.

    ResponderEliminar
  11. lindo, lindo poema e blog! Estou segundo. Beijos

    ResponderEliminar
  12. parabens,minha querida tecas por este lindo poema
    até mesmo com as pedrinhas da rua devemos ter carinho e respeito deixo um abraço com carinho marlene

    ResponderEliminar
  13. Precioso!...
    Agora que te conheço um pouco mais sei que sentes assim.

    Gostei muito de estar contigo e não voltei a fazê-lo por falta de tempo. Os amigos que estiveram comigo, vindos de Valência, ocuparam o tempo requerido, o que restou aos demais.

    Não tenho nada contra ti. Es uma pessoa sumamente educada e culta com quem é grato uns dedos de conversa. Voltaremos a ver-nos, claro que sim.

    Estou a ler o teu livro. Gosto imenso.

    Um grande abraço, querida amiga

    ResponderEliminar
  14. Tecas,
    Uma poesia cheia de metáforas e significados.
    Linda demais.
    Te achei de novo e deixo meu link se por acaso quiser me visitar.
    Beijokas doces

    ResponderEliminar
  15. Um bonito poema. A criança que sempre vive dentro de nós a trazer à memória as recordações da infância. Encanta-me a linguagem fabulosa da poesia e as imagens que lhes associamos.

    Bem-hajas!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  16. Minha querida

    Fica sempre bem no fundo de nós a menina...os laços e as fitas da nossa infância, e mesmo as mãos de amor...por vezes enrugadas pela vida estão por dentro da pele esperando um toque.
    Como sempre, amei ler-te.

    Um beijinho com carinho
    Rosa

    ResponderEliminar
  17. Lindo Tecas!!!
    Obrigada pela visita, é sempre um prazer, volte sempre :))
    Beijinho!
    Helena :D

    ResponderEliminar
  18. Tecas
    se essa rua fosse minha eu ia dela bem cuidar.
    E de leve nas pedras eu ia pisar.
    Assim,elas não se machucariam
    e nem se sentiriam sufocar.

    ResponderEliminar
  19. A linguagem do silêncio é por vezes, a que grita mais alto... Um belo poema, amiga.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  20. Tecasamiga

    Belo poema e belíssima imagem. É o que se pode dizer ouro sobre azul (desde que não seja o do FêCêPê...)

    Desapareceste? Tratei-te mal? Ofendi-te? Creio que não, mas, por vezes...

    Olha, na Travessa publiquei umas coisas sobre o Reino Maravilhoso nas palavras de Miguel Torga. Resultado das voltas que a Raquel e eu demos pelo nordeste transmontano. E não podia faltar a gastronomia. Abordei, sem rebuço, um lombo de javali e constato que nunca comi nada igual em manjares do sublime animal. Acompanhado de batatas a murro, feijão verde salteado e, castanhas fritas, uma delícia. Prato limpo à força de pão.

    Um destes dias, se sobreviver, hei-de falar de mais manjares, das postas, das alheiras - e doutros locais de enfartar. Ponto final – por agora. E nada de excessos; gula é pecado…

    Qjs

    ResponderEliminar
  21. Na verdade

    também há estrelas

    no chão
    BELO

    ResponderEliminar
  22. Querida amiga
    Hoje vim pensando um pouquinho no meu sonho
    Por favor Clique no link abaixo.
    http://www.mariaalicecerqueira.com/2011/08/prezado-amigo-leitor-e-seguidor-me.html
    desde já lhe fico grata de todo o coração.
    Muito Obrigada
    Atenciosamente
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  23. Mudou seu blog?
    Aquele de antes toda vez que entrava dava como removido.
    Faz tempo que não conseguia achar-te...
    Que bom que está aqui.
    Abraços

    ResponderEliminar
  24. Precioso poema el que nos expones Tecas. Un placer leerte.
    Reflexiva fotografía la que has escogido para complementarlo.
    Un abrazo.
    Ramón

    ResponderEliminar
  25. VIVENDO O POEMA

    grito, não grito?
    converso com um rito
    neste ritual

    sempre actual
    do poema

    vivendo o momento!
    Assim

    Bjs
    F

    ResponderEliminar
  26. Boa noite minha amiga querida e muito amada pelos blogueiros!
    Venho lá do cantinho da Evanir,toda radiosa pela homenagem que ela me prestou.Sei que não sou tão merecedora ainda de tamanha homenagem,faz pouco tempo que estou no seio de vcs.Apesar que já conheço o suficiente para chamar de amiga(o)
    Estou aqui para te agradecer as palavras lindas que vc deixou gravada nos comentários da Evanir.Vc me fazendo esses elógios teve grande valor no sentido do gesto.Obg minha querida!
    Bjssssssssssss

    ResponderEliminar
  27. Minha querida amiga Tecas!
    De volta, não podia ter melhor receção!
    Quem de uma "pedra",encontra a música capaz de uma poesia com tão elevada harmonia literária, com uma tão grande e linda sensibilidade , é mesmo poeta de verdade!Porque sente!
    Um abraço minha querida amiga
    E muitas flores!

    ResponderEliminar
  28. A infância é também um dos meus temas preferidos...talvez por ter sido uma menina feliz então...depois tudo acabou...se desvaneceu...
    Bj
    BShell

    ResponderEliminar
  29. A natureza...
    e a natureza morta sempre cruzam o nosso caminho.
    Por vezes estamos atentos,
    outras passamos em vão,
    indiferentes aos gritos mudos
    de outros passos

    ResponderEliminar
  30. A excelência poética habita este poema.
    Parabéns pelo teu talento, querida amiga Tecas.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  31. Um grito que ressoa nas metáforas de uma rua de infância.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  32. A excelência e a sensibilidade, premeiam este teu poema, Tecas.
    Fica sempre na lembrança, algo da nossa infância e tu sabes transmitir essas memórias como poucos.
    Beijos.
    Jorge Santos.

    ResponderEliminar
  33. Amada Amiga..
    Hoje é aniversário da nossaamiga Isa de Portugal fiz uma humilde postagem para ela no meu blog.
    Espero que de tempo de vc chegar antes da mudança da postagem a meia noite aqui no Brasil.
    Um beijo te amo de coração feliz final de semana.
    Evanir

    ResponderEliminar
  34. Recebi seu comentário: Adorei o poema, linda Catia, mas sorri ao ler : O destinatário anda um pouco ausente do blog:)Uma boa mensagem...será que vai chegar a ele?:) Só quero ressaltar que ele ja até respondeu entre os comentários que vc viu lá... grata! bjs

    ResponderEliminar
  35. "Há uma primavera em cada vida: é preciso
    cantá-la assim florida, pois se Deus nos deu
    voz, foi para cantar! E se um dia hei-de ser
    pó,cinza e nada que seja a minha noite uma
    alvorada, que me saiba perder...
    para me encontrar..."

    Florbela Espanca

    Beijos & flores.....M@ria

    ResponderEliminar
  36. Olá,Tecas!

    Que lindo!!Da infância vem os sons das vozes da natureza, onde ficou adormecida...
    Que o homem acorde e cuide bem da natureza!
    Beijos pra ti!!
    Tenha uma linda sexta!

    ResponderEliminar
  37. Querida amiga
    Hoje eu vim pensando um pouquinho em meu sonho
    por favor clique no Link

    http://www.mariaalicecerqueira.com/2011/08/prezado-amigo-leitor-e-seguidor-me.html

    Muito obriga de coração

    abraço amigo
    atenciosamente Maria Alice

    ResponderEliminar
  38. Oi, Tecas :) Lembrei que apanhava muitas pedrinhas na infância. Fazia o mesmo com búzios qdo ia à praia. Esse poema me levou à uma doce recordação. :D
    Mas, qdo crescemos, esses antigos hábitos se tornam tão esquecidos... Como se as pisadas sufocassem as pedrinhas... Nem paramos mais pra recolher.
    Essa comparação é tão magnífica, que podemos empregá-la em outras circunstâncias da vida.

    Bjs ;)

    ResponderEliminar
  39. Tecas, que lindo poema.As pedras, também...?
    Beijos.
    Helena P.

    ResponderEliminar
  40. querida amiga, siempre es una delicia recorrer tus letras.

    un fuerte abrazo!

    ResponderEliminar
  41. Belo poema e bela foto, mostra a fragmentação da vida contemporãnea uma igual no meio de tantas iguais com suas imperfeições feitas da mesma matéria e ainda assim não se tocam, as pedras, as vidas, nós.

    lindo mesmo

    Abraço

    ResponderEliminar
  42. Bello poema,siempre un placer entrar en tu casa,un abrazo J.R.

    ResponderEliminar
  43. Brincamos com pedrinhas na infância, um poema lúdico para se emocionar. Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar
  44. Um poema lindo, que emociona e me leva à minha infância,
    Beijos.

    ResponderEliminar
  45. que lindo ... é sempre bom vir aqui e encontrar belezas raras como essa .... abçs

    ResponderEliminar
  46. TECAS!
    BELÍSSIMOS VERSOS,O POETA NUNCA DEIXA DE SER CRIANÇA E ESTA MAGIA LEVA A CONSTRUÇÃO DE POEMAS COMO ESSE UMA JÓIA EM LETRAS!!!!
    BJ DE LUZ TAÍS V. MARIANO - bruma Lilás

    ResponderEliminar
  47. Tecas muito querida,uns constroem castelos e tu fazes poemas...e quão belos,transbordantes de ternura,eles são.
    Bjsssss,
    Leninha

    ResponderEliminar
  48. Meu coração te chama!
    Vc é muito amável no que post...isso faz a diferença...eu grito...
    bjssssssssssss

    ResponderEliminar
  49. Que bom que vocês ainda existem, os poetas que versejam nas grutas da nossa infância... das nossas doces lembranças... e não deixam apagar as marcas das nossas ternuras e doçuras...
    Um beijo imenso!

    ResponderEliminar