Com a voz do coração dou as boas vindas e agradeço a visita, porque, a semente mais pura do pensamento, está no coração.





26/05/09

DEPOIS...

imagem google

um dia
livre pela única verdade
voarei como as aves
ao encontro do anil do céu.
cortarei o espaço
e serei
uma minúscula partícula do átomo.
levarei o sonho do meu sonho
em minhas asas quebradas
como aquela ave
atingida pelo tiro certeiro
do caçador furtivo
que sangra a música da Natureza.
deixarei a precária luz da terra
esse frágil abraço do sol
insuficiente para derreter
gelo sobre gelo.
repartirei com elas
o primeiro sopro
do amanhecer no Infinito.
depois...
depois só as estrelas e o luar
falarão dentro do silêncio:
- que o mistério mora no sonho das aves

Tg "in" Olhar interior

21 comentários:

  1. gostei muito deste poema, tecas. tem um conjunto de metáforas muito bonitas. e termina num verso bem conseguido :) amiga querida, despeço-me até à próxima semana. deixo-lhe um beijinho grande.

    ResponderEliminar
  2. Querida amiga, és uma sonhadora nata!! Transformas com delicadeza cada devaneio num belo poema!
    Parabéns! Mts Bjis

    ResponderEliminar
  3. Tecas:
    um dia
    livre pela única verdade
    voarei como as aves
    ao encontro do anil do céu.
    cortarei o espaço
    e serei....

    Como você escreveu bonito, cheguei a perceber o seu vôo em céu anil, parabéns menina,
    com admiração,
    Efigênia Coutinho
    Escritora

    ResponderEliminar
  4. Pois querida amiga Tecas, se a humanidade soubesse que cada ser não passa de uma "minúscula partícula do átomo", que mais minúscula se torna, quanto maior for a distãncia nas alturas... tudo seria diferente e a harmonia entre as particulas seria sagrafa!

    Beijos de amizade. Adorei a mensagem poética.

    José Faria

    ResponderEliminar
  5. Um voo no silêncio. O fascínio de ter asas!
    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. Tecas,

    Todos um dia, faremos esse voo!
    O único pleno de paz e liberdade!

    Bjo´s

    ResponderEliminar
  7. gostaria de ter a liberdade de voar...

    bjosss!!!

    ResponderEliminar
  8. ____________________________________________


    ...lindo, lindo!
    Um poema brotado do coração...


    Beijos de luz e o meu carinho!!!

    ____________________________________________

    ResponderEliminar
  9. Afinal não te perdi...mágico o teu peoma! Beijos.

    ResponderEliminar
  10. 'poema'...troquei as letras. O cansaço prega partidas...

    ResponderEliminar
  11. uma beleza onde achas que 'o silêncio mora".....ficou aqui, guardado.

    beijo,
    El

    ResponderEliminar
  12. Belíssimo poema querida amiga. Para além do conteúdo, gostei da forma, já que as tuas palavras tornam o poema muito melódico.
    Gostei imenso.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  13. como aquela ave moribunda
    em que o caçador repete o disparo
    como tiro de misericórdia
    ou de desprezo?
    caio!
    não basta o que sofro...
    açoitam-me... mais que o próprio ser
    não é o chão que me espezinha
    mas os pés que sobre ela me calcam
    não é a terra que me suja
    mas o cuspe de quem me desdenha
    não é a terra que em pó me quer
    mas o coração que o meu amor não soube acarinhar
    perdi as asas
    fiquei com as penas
    e jamais acreditarei que um dia hei-de voar


    obrigada pelas tuas palavras, querida tecas
    penso que nos vamos (re)ver em breve, não é?
    beijos
    luísa

    ResponderEliminar
  14. Muito esbelto e significativo, este poema.
    Gostei.

    Cumprimentos meus.

    ResponderEliminar
  15. passando pra desejar um ótimo fim de semana!

    ResponderEliminar
  16. Livre pela única verdade ... que o mistério mora no sonho das aves.

    Belo o voo do teu poema.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  17. um novo beijo depois de...
    um novo abraço depois de...
    gostei
    parabéns a todas e todos os poetas

    luísa (luisinha? ok, seja!)

    ResponderEliminar
  18. Obrigada pelo carinho com que me recebeste na tua terra este fim de semana! Muitos beijos e muita Poesia! Havemos de nos abraçar de novo em breve.

    ResponderEliminar
  19. e assim me senti, como se uma ave fosse...as tuas palavras foram as asas para esse meu voo. Obrigada.

    Desculpa o abuso, mas aproveito a visita para te informar que o meu livro vai ser lançado no próximo dia 27, às 16 horas, na Biblioteca de Valongo. Se puderes aparecer será um prazer partilhar essa emoção contigo
    beijo

    ResponderEliminar
  20. que o mistério mora no sonho das asas
    revolvidas pela escrita das aves.

    um grande abraço, minha amiga
    jorge

    ResponderEliminar